Adobe

Autor: 
Fernando Bussoloti


Antecessor do tijolo cozido, provavelmente a
técnica de construção com terra mais conhecida seja o adobe.

A técnica consiste em confeccionar tijolos de barro com formas regulares e, através de processo de secagem natural em descanso, sobrepô-los com uma liga de argamassa de mesmo material formando as paredes.

Hoje, os tijolos de adobe podem representar uma alternativa formidável aos tijolos cerâmicos convencionais quando levamos em consideração o fato da necessidade de diminuir o consumo de energia e desperdício de material.

O solo e a mistura

A terra apropriada para usar na construção é aquela que geralmente fica abaixo dos 50 cm.

Acima
disto na camada superficial, encontramos normalmente, a chamada terra
vegetal que contém matéria orgânica em decomposição e microorganismos. Esta não é própria para a construção, pois se torna frágil quando seca e além disto compromete a salubridade dos ambientes.

A terra ideal é aquela de coloração amarelada, mas o solo de cor castanha e vermelha são também propícias para a construção. Devem ser descartadas aquelas com cor branca ou preta.

A terra é formada por partículas de argila, silte e areia.
O solo utilizado para construir, por ser encontrado na natureza, não é
padronizado, por isso muitas combinações podem ser usadas.

Dependendo
da técnica utilizada, a mistura deve ser mais seca ou mais úmida. O
barro deve ser a mistura deste solo com água e, por vezes, podem ser
utilizados certos aditivos.

A proporção correta de areia e argila, normalmente fica entorno de 1:1 até 2:1. Proporções menores deixam a massa muito mole e o barro começa a ficar sem aderência.

Uma
combinação que propicia um barro estável e denso é adicionar grãos,
fibras, folhas secas e limpas à mistura. Estes aditivos estabilizam a
massa e “amarram” internamente as moléculas de areia e solo.

Outra forma de criar misturas estáveis é adicionar cimento, cal e ou cinzas que acaba proporcionando uma liga mais resistente e mais durável.

Uma terceira opção é adicionar óleos vegetais, látex, seivas e ou betume asfáltico. Assim a mistura se torna mais impermeável e com menos água fica mais resistente às intempéries.

É essencial que a mistura, independente de qual for, seja bem amassada e peneirada para adquirir uma forma bem homogênea. Deve descansar à sombra aproximadamente por dois dias antes de ser novamente misturada e com água cria-se uma liga plástica.

Em seguida leva-se o barro para as formas. Podem ser de madeira metal ou plástico resistente. O importante no formato é que ao final, o tijolo ideal deva ter o comprimento duas vezes maior que a largura. Mesmo assim, outras dimensões possam ser confeccionadas, mas se tornam padrões especiais e requerem mais atenção com a mistura e ao processo de secagem.


O barro já com certa consistência deve ser despejado na forma e preencher por igual todos os cantos. A plasticidade da liga deve estar concisa e alguns minutos após encher, o tijolo já retirado da forma não dever parecer borracha.


O tijolo também não deve desmoronar, não deve ter suas quinas despedaçadas e ou afundamentos nas faces. Assim, após ser retirado da forma, este deve ser posto para secar, o ideal é antes de começar esta etapa, alisar as faces com uma espátula.

Logo que o tijolo é retirado da forma, convém lavá-la para utilizar novamente. Os resíduos, quando secos, acabam por comprometer a formação de novos blocos.

O processo de secagem dos tijolos de adobe depende das condições climáticas do lugar. Quando feito em tempo quente e seco, completa o ciclo mais rápido e melhor. Também é necessário avaliar o tipo de mistura e a quantidade de água contida nela.

Na primeira fase desta etapa, é bom que os tijolos fiquem expostos diretamente ao sol. Este é o momento crucial onde a maior parte da umidade é retirada.

Sempre manuseados com cuidado, é ideal que descansem sobre esteios de madeira limpa, pois essa absorve um pouco da água ao contato com o bloco. Contudo nesta etapa deve se tomar cuidado com as intempéries, os tijolos por estarem descobertos, não devem receber chuva.

Deve-se analisar neste momento se os blocos não estão trincando ou esfarelando. No restante do tempo, os blocos devem descansar à sombra.

Em todo o processo, ocasionalmente, os tijolos devem ser virados para secarem homogeneamente evitando deformações e retrações desproporcionais. Por fim, a armazenagem deve ser feita em local seco.

Para proteger a construção de adobe da umidade e estruturá-la corretamente, algumas medidas são necessárias:
Para a umidade que vem do chão, é interessante soergue-la. Pode-se fazer isso elevando a altura das vigas baldrame e/ou preparar uma base de concreto ou pedras. Com mais segurança, a primeira fiada da construção pode ser de tijolo cerâmico para proteger a base da parede da água que respinga.
Deve se tomar cuidado para estruturar bem os vãos das janelas e das portas. Com pequenas vergas de madeira ou concreto, estabilizamos esses vão e protegemos as paredes.
­­

Seja qual for o material escolhido e o tipo do telhado, é fundamental que os beirais tenham 50 cm ou mais, para proteger as paredes da chuva.

Por fim, é recomendável que uma cinta de vigas seja construída do topo das paredes para estruturar a casa.

Também é interessante cobrir as paredes com tinta e cal, protegendo-as das intempéries.

­