A população amazônica

Autor: 
Luís Indriunas

Vivem na Amazônia Legal cerca de 17 milhões de pessoas. Esse número foi calculado em cima das estimativas para 2005 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Esse número leva em conta os 14,6 milhões de residentes na região Norte e parte da população rural ou de pequenas e médias cidades do Mato Grosso, Maranhão e Tocantins (as capitais desses Estados não são levadas em consideração). A região Norte é a com menor densidade demográfica do País, cerca de 4 habitantes por quilômetro quadrado. E a maior parte da população está concentrada nas cidades. De 1980 a 2000, a população urbana na Amazônia quase triplicou, passando de 4,7 milhões de pessoas, ou 45% da população da região, para 13,7 milhões, ou 69%. As maiores concentrações estão em Belém (1,8 milhão) e Manaus (1,4 milhão).

Traçar, no entanto, um perfil da população na região deve levar em conta vários aspectos. Com a construção de rodovias como a Belém-Brasília e a implantação de grandes projetos, uma expressiva migração para região aconteceu. No sul do Pará, por exemplo, é comum algumas cidades terem metade da população vinda do Maranhão. Boa parte dos prefeitos e autoridades das pequenas cidades amazônicas são paulistas, mineiros, matogrossenses ou gaúchos.

Assim como no resto do País, há expressiva população de imigrantes e descendentes. Os portugueses foram os primeiros e, na época dos jesuítas, chegaram a mudar o nome de praticamente todos municípios para os de cidades portuguesas como Belém, Santarém, Bragança e Viseu. Os japoneses, por exemplo, aportaram na região no início do século 20, cultivando pimenta e posteriormente frutas.

Não muito comuns no interior da região, os negros tiveram uma presença marcante na área litorânea do Amapá, Pará e Maranhão.
Os principais representantes da cultura amazônica, no entanto, são as populações tradicionais: caboclos e índios. Fortemente enraizada na floresta, essa população é considerada extremamente importante para a conservação ambiental, já que conhecem a mata e, cada vez mais, tem consciência de sua importância. São poucos os índios na Amazônia atualmente, cerca de 150 mil. Mesmo pequena e extremamente heterogênea, essa população tem uma importância ambiental grande, já que normalmente vivem em grandes extensões de terra nas reservas indígenas e são detentoras de culturas ameaçadas de extinção. Atualmente, além do português, outras 180 línguas indígenas são faladas no Brasil, a maioria está na Amazônia. A culinária da região é extremamente influenciada pela cultura indígena. É o caso do tucupi, um caldo amarelo e azedo extraído da mandioca que vai virar farinha e que é usado em deliciosas caldeiradas seja com pato ou peixe.

Assim, a cultura amazônica está arraigada a essa diversidade humana. A música, as artes plásticas e a literatura produzidas na região misturam tanto heranças européias como africanas e indígenas. O carimbó, por exemplo, é um ritmo típico do litoral paraense que tem influências africanas e indígenas. O nome vem de curimbó, uma palavra tupinambá que significa pau oco. O curimbó é tocado num ritmo com grande influência africana.

Outra manifestação cultural interessante na região é o Boi de Parintins. No meio do Estado do Amazonas, a cidade lota durante os dias do festival em que dois grupos: o do boi Garantido e do boi Caprichoso duelam na arena. O Boi-Bumbá tem origem nas festas juninas portuguesas, mas, em Parintins, a música com um tom épico fala das belezas da floresta, tem passos que lembram os indígenas e uma produção que, guardada as devidas proporções, é tão grandiosa e luxuosa quanto o carnaval carioca.