Como o aquecimento global ameaça a população de ursos polares

Autor: 
Editores do HowStuffWorks

Pesquisadores da Universidade de Alberta estudaram a reprodução dos ursos polares na baía de Hudson e associaram o declínio do tamanho da ninhada com a perda do gelo marinho. De acordo com os pesquisadores, a redução no número de filhotes recém-nascidos é uma ameaça significativa à população de ursos polares.

Usando dados coletados desde 1990, os pesquisadores analisaram as mudanças no período de congelamento da baía de Hudson e a quantidade de energia que as fêmeas grávidas podem armazenar antes da hibernação e parto.

Uma ruptura precoce do gelo na estação em que os ursos saem à caça dificulta para as fêmeas grávidas  manterem-se vivas
© iStockphoto.com /Jrphoto6
Uma ruptura precoce do gelo na estação em que os ursos saem à caça dificulta para as fêmeas grávidas manter-se vivas

Uma ruptura precoce do gelo na estação em que os ursos saem à caça dificulta para as fêmeas grávidas até mesmo manter-se vivas, o que dirá dar à luz e criar os filhotes. A gravidez dura em torno de oito meses e durante este período não há alimento disponível.

Os pesquisadores estimaram que no começo dos anos 1990, 28% das fêmeas grávidas e que foram privadas de alimentos não tiveram sequer um único filhote. Usando modelos matemáticos para estimar o impacto energético de uma curta temporada de caça, os pesquisadores chegaram aos seguintes cenários:

- se a primavera chegar um mês mais cedo na baía de Hudson do que nos anos 1990, 40 a 73% das fêmeas grávidas não se reproduzirão;
- se o gelo quebrar dois meses antes do que nos anos 1990, 55 a 100% de todas as fêmeas de ursos polares grávidas não terão um único filhote.

A população atual de ursos polares na baía de Hudson é estimada em torno de 900 – na última década viviam por lá cerca de 1.200 ursos. O número de ursos polares em torno do Ártico é estimado entre 20 e 25 mil.

Segundo os pesquisadores, os ursos polares que vivem na baía de Hudson são os primeiros a serem afetados pelo aquecimento global já que estão mais ao sul. No entanto, eles dizem também que se a temperatura do Ártico continuar a subir, grande parte da população mundial de ursos polares estará em risco.

Artigos relacionados

Publicado em 10 de fevereiro de 2011.