Como funciona o lixo eletrônico

Autor: 
Jessica Toothman

Pense por um minuto na lista enorme de computadores, televisores, celulares, rádios, consoles de videogame e players de música que passaram por suas mãos ao longo dos anos. E quanto à seqüência interminável de produtos como aspiradores de pó, microondas, secadores de cabelo, escovas de dente elétricas, despertadores, cortadores de grama e detectores de fumaça que fizeram parte de sua vida e se foram?

Esses são apenas alguns exemplos de aparelhos e parte do crescente fenômeno conhecido como lixo eletrônico - termo empregado para descrever os produtos elétricos e eletrônicos descartados. Ah, e só para lembrar boa parte deles usam ou usavam pilhas e baterias. Nas últimas décadas, a demanda mundial por aparelhos disparou e, inevitavelmente, o volume de produtos descartados cresceu. À medida que as economias da China e da Índia se modernizam e se enquadram às tendências ocidentais, a geração mundial de lixo eletrônico atinge proporções astronômicas. 

O que acontece com todo esse lixo? 

O lixo eletrônico contém muitos componentes tóxicos e perigosos que, em sua maioria, ainda são depositados em aterros sanitários. Boa parte da porção restante é exportada a alguns países em desenvolvimento, onde trabalhadores - que muitas vezes trabalham em condições de pouca segurança e sem fiscalização - reciclam esses resíduos. O trabalho que eles realizam, embora ofereça algumas matérias-primas reaproveitáveis, tem sérias conseqüências.

unloading e-waste
Foto cortesia da Basel Action Network 2006
Trabalhadores em Lagos, Nigéria, descarregam TVs e monitores de computador importados, a maioria dos quais serão enviados a depósitos de lixo locais, onde serão vasculhados em busca de porções recicláveis e, depois, incinerados  

No momento, as pessoas estão apenas começando a perceber o quanto essas conseqüências podem ser sérias. A exposição em longo prazo a pequenas doses de toxinas é menos compreendida do que os efeitos dessas toxinas em dosagem maior. Provavelmente, é perigoso passar os dias tocando fragmentos de metais tóxicos como chumbo (em inglês) e mercúrio (em inglês). O senso comum alerta que inalar fumaça de produtos químicos que retardam chamas e ácidos altamente corrosivos também não é uma boa idéia. E despejar os subprodutos desse processo de reciclagem em fontes de água potável ou não acaba poluindo-os.

A conseqüência é que as pessoas começaram a prestar atenção a isso e diversas iniciativas de proteção ao meio ambiente e à saúde humana ganharam força, recentemente. Governos de todo o mundo estão adotando regulamentação para reduzir os resíduos e um número crescente de melhoras industriais vem surgindo a cada dia.

No Brasil, o problema não é menor que nos outros países, inclusive, porque, por exemplo, a reciclagem de pilhas e baterias é mínima.

Na próxima página, veremos o que exatamente o lixo eletrônico contém que o torna tão perigoso.

Teste seus conhecimentos sobre:

lixo eletrônico